Arquivo | PHP RSS for this section

PHP (Erro: Allowed memory size)

Olá queridinhos,

Estava eu, linda e pomposa, gerando meus relatórios em PDF utilizando a biblioteca mPDF. O caso não é o PDF, mas se quiserem conhecer melhor esta biblioteca clique aqui #indico.

O caso é que em um determinado momento eu gerei uma listagem grande (18 páginas em PDF), mas ao invés de visualizar o PDF lindo eu recebi o erro abaixo:

Fatal error: Allowed memory size of 134217728 bytes exhausted (tried to allocate 261904 bytes) in caminhoTal on line numeroTal

E aí? O que houve?

Aconteceu que o script que está sendo processado estourou o limite de memória indicado na configuração do PHP (php.ini). Sim, existe uma diretiva no php.ini chamada memory_limit que vai definir o máximo de memória que os seus scripts podem gastar. Até o PHP 5.2.0 o padrão desta variável era “8M” e a partir do PHP 5.2.0 ela recebe “16M” como padrão.

No momento eu estou com a versão 5.3.5 do PHP, mas mesmo assim a minha rotina extravazou o limite de memória.

Qual a solução?

Existe uma função do PHP que se chama ini_set e ela nos permite definir um novo valor para uma opção de configuração. Ela recebe dois parâmetros (string $varname, string $newvalue), no primeiro informamos a opção de configuração que queremos alterar e no segundo passamos o novo valor dessa configuração. Mais detalhes sobre a função ini_set aqui.

Claro que vale lembrar que alguns servidores não permitem que você altere as configurações do PHP e também bloqueiam a alteração de algumas configurações pela função ini_set, então vale verificar!

Então, antes do meu script eu inseri a seguinte linha:

<?
ini_set('memory_limit', '-1');
?>

Percebam que o meu $varname é igual a ‘memory_limit‘ e o meu $newvalue é igual a ‘-1’.

No lugar de ‘-1’ eu poderia ter informado um valor em megabytes, por exemplo “32M”, “64M” ou até “1024M”.

Acontece que neste caso eu estou gerando um relatório (listagem de dados), e essa listagem pode variar e muito no seu tamanho. Neste momento se trata de uma listagem de 18 páginas, mas futuramente ela pode ser 20, 30 ou mais páginas.

Então o $newvalue igual a ‘-1’ informa à minha configuração que eu NÃO quero impor um limite de memória neste momento.

 

Bom.. o que eu queria mostrar é isso. Espero poder ajudar alguém com isso.

Para conhecer mais algumas diretivas do php.ini leia isso.

😉

Anúncios

Html5 e Geolocalização

Recentemente eu me deparei com a necessidade, de saber a localização de um usuário no momento em que ele está preenchendo uma tela de cadastro. E graças ao HTML5, hoje nós podemos fazer esse tipo de monitoramento.

Primeiro, vamos entender que existem três maneiras do agente de usuário descobrir a nossa posição:

  • Geolocalização IP – essa forma é usada pela maioria dos navegadores nos nossos computadores. Utilizam-se de consultas whois e serviços de localização de IP que permitem determinar a cidade ou a região em que você está.
  • Triangulação GPRS – basicamente para celulares sem GPS ou com GPS desligado. Para estes casos, é possível determinar a sua posição através da triangulação das antenas GPRS mais próximas. Mais preciso do que a Geolocalização IP, consegue mostrar em qual parte do bairro você está.
  • GPS – é a forma de localização mais precisa, com margem de erro de apenas uns 5 metros. Pode ser usada por celulares ou tablets com o GPS ligado.

Pois bem, conhecendo melhor internamente as várias formas de se localizar o nosso usuário. Vamos ao que interessa…. como saber onde ele está enquanto está navegando ou fazendo um cadastro no meu sistema web?

Basicamente, em primeiro lugar precisamos saber se o agente do usuário tem suporte à geolocalização do Html5 e se possuir, eu chamarei o script que busca a geolocalização.

if (navigator.geolocation){
  navigator.geolocation.getCurrentPosition(getPosicao, displayError);
}

Percebam que eu chamei a função ‘getCurrentPosition’ e que ela recebe dois parâmetros (getPosicao e displayError). Esses dois parâmetros, são funções callback.

  • A primeira função recebe um objeto de posicionamento, e é através dele que conseguimos pegar a latitude e longitude da minha localização.
function getPosicao(position){
  lat = position.coords.latitude;
  lon = position.coords.longitude;
  alert('Sua posicao: '+ lat + ' - ' + lon);
 }
  • A segunda função serve para fazer o tratamento de erro. O nosso usuário pode escolher por não compartilhar sua posição, ou qualquer outra coisa pode dar errado na hora de pegar a geolocalização. Cada erro possui um código que vai de 0 a 3. É possível ver os significados dos erros na função abaixo.
function displayError(error) {
  var errors = {
    0: 'Erro Desconhecido',
    1: 'Permissão negada',
    2: 'Posição indisponível',
    3: 'Timeout'
  };
  alert('Ocorreu um erro: ' + errors[error.code]);
}
  • Ainda é possível enviar para a função ‘getCurrentPosition’, um terceiro parâmetro que é um objeto de configuração. Esse objeto não será utilizado neste exemplo, mas ele pode ter três propriedades: enableHighAccuracy (true/false para o modo de alta precisão), timeout (tempo máximo em milissegundos para esperar pela posição), maximumAge (tempo máximo em milissegundos que o navegador pode cachear a posição).

Pronto! Com isso você já consegue pegar a localização do seu usuário. A partir daí você pode exibir essas informações na tela, usar a api do google maps e exibir um mapa, mandar essa informação para algum campo hidden no seu formulário e salvar essa informação no seu banco de dados. Enfim, com essas informações você já pode desenvolver a situação que for necessária.

😉

Autocomplete do jQuery UI com PHP

Olá!!!

Bom… depois de muito suor, bateção de cabeça na minha mesa, muitos xingamentos ao meu computador (que não tinha nada a ver ‘coitado’…)… eu consegui implementar no meu sistema o autocomplete “bunitinho”, “lindinho” e “tchuco-tchuco” do jQuery UI!!!! \o/

Bom.. pra início de conversa, favor baixar aqui a versão mais recente do jQuery UI. Descompacta na sua pastinha de trabalho e mãos à obra.

Vamos precisar de dois arquivos: ‘formulario.php’ e ‘buscaDados.php’. O primeiro é onde estará o seu formulário que conterá seu campo autocomplete e o segundo, logicamente, é onde estará a pesquisa dos dados que retornarão para o autocomplete.

Antes de mais nada, em ‘formulario.php’ vamos fazer as chamadas para os arquivos .css e .js que vamos precisar para implementar o autocomplete. Todos se encontram no arquivo que você baixou e descompactou na pastinha de trabalho. No meu caso estou trabalhando com a versão 1.8.9 do jQuery UI que me trouxe a versão 1.4.4 do jQuery.

<script type="text/javascript" src="jquery-ui-1.8.9.custom/js/jquery-1.4.4.min.js"></script>
<script type="text/javascript" src="jquery-ui-1.8.9.custom/js/jquery-ui-1.8.9.custom.min.js">
</script><link type="text/css" href="jquery-ui-1.8.9.custom/css/redmond/jquery-ui-1.8.9.custom.css" rel="stylesheet"/>

Só para lembrar, estas linhas são inseridas dentro das tag’s  <head>e </head>.  =)

Também no arquivo ‘formulario.php’, vamor criar um <form> </form> e dentro dele criar um textfield que vamos nomear de ‘auto’ para facilitar o processo:

<input type="text" id="auto" />

A propriedade ‘id’ do campo é o que permite a referenciação no jQuery. Agora vamos criar uma função ready para criar o campo autocomplete; esta função vem logo abaixo da referenciação dos arquivos .css e .js.

<script type="text/javascript">
  $(document).ready(function() 	{
    $('#auto').autocomplete(
    {
      source: "buscaDados.php",
      minLength: 2
    });
  });
</script>

Viu!? Estou dizendo que o campo ‘auto’ é um campo ‘autocomplete’ e que os dados virão do source ‘buscaDados.php’. Com a propriedade ‘minLength’ eu estou dizendo que o autocomplete será ativado quando eu tiver um mínimo de 2 caracteres digitados no meu campo ‘auto’.

E para finalizar, no arquivo ‘buscaDados.php’ você vai fazer a conexão com o banco de dados e retornar as informações da tabela que você quer:

$hostname = "localhost";
$user = "root";
$pass = "";
$basedados = "teste";
$connect = mysql_connect($hostname,$user,$pass) or die ("Impossível estabelecer conexão com o servidor de banco de dados");
mysql_select_db($basedados) or die ("Impossivel estabelecer conexão com o banco de dados");

//busca valor digitado no campo autocomplete "$_GET['term']
$text = mysql_real_escape_string($_GET['term']);
$query = "SELECT * FROM tabela WHERE campoTexto LIKE '%$text%' ORDER BY campoTexto ASC";
$result = mysql_query($query);
//formata o resultado para JSON
$json = '[';
$first = true;
while($row = mysql_fetch_array($result))
{
  if (!$first) { $json .=  ','; } else { $first = false; }
  $json .= '{"value":"'.utf8_encode($row['campoTexto']).'"}';
}
$json .= ']';

echo $json;

Então… é assim que se cria um campo autocomplete como o da imagem abaixo, que é um print de um pedaço do meu sistema:

Você pode formatar o autocomplete de várias formas, é possível personalizar um tema ou escolher um pré-existente para baixar aqui.

O exemplo que eu me guiei para conseguir aprender a usar esta funcionalidade foi o do burnmind.com que também disponibiliza o fonte para download e um demo. Obs.: o demo deles está configurado para que o autocomplete apareça a partir da 3ª letra digitada (experimente digitar “col”).

Espero ter ajudado! Qualquer coisa é só comentar aew…. =)

Até mais.

%d blogueiros gostam disto: